segunda-feira, 18 de março de 2013

O Papa tá lascado para atender todo mundo


- Quais os grandes desafios a serem enfrentados pelo novo Papa?
- Tudo que envolve minhas vontades.

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

Brincadeiras à parte, é isso o que tenho visto nesses últimos dias (na Internet e na TV). O mundo dizendo o que quer, tem vontade e deseja, mas sob as vestes da palavra desafio.

Imagina eu chegar a primeira vez na sua casa e dizer: seu desafio é colocar esse sofá encostado nessa parede e não na outra. E encher você de desafios, que na verdade são apenas as minhas vontades. Desafio mesmo é visto por alguém de dentro da sua casa. Alguém que conhece você e a casa. Esse sim, vê desafios.

Os teólogos da libertação dizem que um dos desafios é tornar a Igreja uma democracia. Eles QUEREM isso. Os defensores dos homossexuais dizem que um dos desafios a serem encarados é o reconhecimento do casamento gay. Eles QUEREM isso. As feministas dizem que o desafio do novo Papa é dar uma maior participação da mulher na Igreja. Elas QUEREM isso. Os que acham que pedofilia é coisa exclusiva de padre dizem que o desafio do novo Papa deveria rever a questão do celibato. Eles QUEREM isso.

Me desculpem, mas nada disso é desafio para o Papa Francisco.

Tornar a Igreja uma democracia e desfigurar a figura do Papa é chegar pra Jesus e pedir pra Ele não dizer: "Eu te darei as chaves do Reino dos céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus" (Mt 16, 19).

Reconhecer o casamento gay é pegar tudo o que São Paulo falou sobre a homossexualidade e jogar fora.

Maior participação da mulher na Igreja? Essa pra mim é a pior de todas. Meu amigo, o que mais tem na Igreja é mulher. :) Existem mulheres leigas, leigas consagradas, mulheres consagradas religiosas. Só não tem mulher no clero. No resto da Igreja toda tem. Então parem de usar essa belíssima expressão "maior participação da mulher na Igreja" ou outra que ouvi "participação mais ativa das mulheres na Igreja" e digam logo que querem mulheres sacerdotisas. Mas saiba que o que tem mais de ativo e participação na Igreja hoje são mulheres. Engraçado é que para isso usam argumentos simplistas demais, tipo: "Jesus era rodeado de mulheres", ou ainda "quando Jesus ressuscitou Ele apareceu primeiro para Maria Madalena, que é mulher". De fato, isso é verdade. Agora isso não dá direito algum da mulher ser sacerdotisa. Se é pra ser simplista peguemos o seguinte fato: quando Jesus chamou os Apóstolos, Ele só chamou homens. Pois é, é fácil ser simplista, né?

E aqui faço um adendo aos dois últimos itens mencionados: casamento gay e participação das mulheres. Ambos os casos alegam possuir DIREITO, mas esquecem que o matrimônio e o sacerdócio não são DIREITOS, mas VOCAÇÃO, ou seja CHAMADO. Não é direito meu ou seu, é Deus que chama.

Rever o celibato porque existem casos de pedofilia é associar pedofilia com a tensão vivida para manter a castidade. Respondam-me então se o pedófilo que não é padre, aquele que está dentro da sua casa, se ele tem alguma restrição com a castidade. Se ele tiver, então talvez a gente possa associar a isso. Mas é claro que ele não tem. Pedofilia nunca foi exclusividade de padre. Nas casas aí fora tá cheio de casos. Permitir que padres casem é só aumentar as estatísticas dos casos de pedofilia para dentro de casa, para a família, pois o padre que faz isso sem ter família, vai continuar fazendo se tiver, como muitos que não são padres e são pedófilos. O que se pode falar de desafio para o Papa Francisco aqui é identificar e evitar isso de acontecer no clero, ou ainda como tratar com casos que aconteceram ou virão a acontecer. Só.

Resumindo, não pergunte para quem é de fora os desafios que você deve viver dentro da sua casa. Desafio mesmo é fazer alguém de fora entender o porquê do seu sofá ficar onde está e que não há problema em estar onde está.

2 comentários:

Carla Tanure disse...

Ótimo texto, Emerson! Perfeito! Que Deus continue te ajudando a ter inciativas como esta!

Emerson Espínola disse...

Amém.