quarta-feira, 14 de março de 2007

Você tem experiência em que?

Viver nos dias de hoje é um desafio para alcançar a felicidade. E nesse desafio nós experimentamos as coisas. Coisas boas e coisas ruins, mas nós experimentamos.

Tudo é experiência. Qual é a sua? Você tem experiência em que?

O que você tem experimentado ultimamente? Há quem defenda a idéia de: "tudo é experiência". De fato tudo é experiência, mas nem toda experiência é boa, como acabei de dizer. Quando eu digo que uma experiência é má, digo na sua essência, não falo daquela que foi decepção, ou humilhação, mas que lhe trouxe um benefício, um crescimento pessoal, ou algo de bom. Falo daquela cuja essência é má e que só traz malefícios para as nossas vidas.

Tudo é experiência. Qual é a sua? Você tem experiência em que?

Mas voltando... Tudo é experiência. Correto, mas e daí? Quer dizer que, porque eu posso experimentar tudo, eu agora tenho que experimentar algo que me faça mal e ainda por cima achar natural? Radical né? Mas a gente encontra isso por aí sim.

Tudo é experiência. Qual é a sua? Você tem experiência em que?

Para os que não gostam de ouvir a palavra Bíblia, minhas desculpas, mas eu preciso nesse instante citá-la. Pode ser que para você a Bíblia não seja fonte e nem base para a sustentação da sua vida, mas para mim é. Quando vejo São Paulo na sua segunda carta à Timoteo, capítulo 3, versiculos 16 e 17, dizer que:

"Toda Escritura é divinamente inspirada e proveitosa para ensinar, para repreender, para corrigir, para instruir em justiça; para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente preparado para toda boa obra".

Isso reforça meu pensamento de que a Bíblia é fonte e base para sustentar e guiar minha, sua, nossa vida.

Pois bem... Voltando à experiência. São Paulo novamente em sua carta aos Coríntios, no capítulo 6, e versículo 12 nos diz o seguinte:

"Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm. Todas as coisas me são lícitas; mas eu não me deixarei dominar por nenhuma delas".

Poderia ler assim também: Tudo é experiência, mas nem toda experiência me convém, ou seja, nem toda experiência agrega alguma coisa útil à minha vida.

Seguindo esse pensamento de que tudo é experiência, estamos perdendo a noção e capacidade de identificar o que nos faz bem (em essência) e o que nos faz mal (em essência). Somos incapazes de aprender com os erros dos outros, porque nos é incutido de que a experiência do outro é única e não me serve, e eu tenho que ter a minha experiência, mesmo que isso me custe receber o mal (em essência) como prémio da minha escolha por experienciar o mal. Eu não considero evolução, mas ao contrário, uma regressão, não querer aprender com a experiência negativa dos outros.

E para fechar com chave de Ouro, consulto mais uma vez São Paulo ainda na sua carta aos Coríntios, mas agora no capítulo 10, e versículos 5 e 6. Vejamos:

"No entanto, a maior parte deles desagradou a Deus, pois morreram e ficaram no deserto. Esses fatos aconteceram para serem exemplos para nós, a fim de que não desejemos coisas más, como fizeram aqueles no deserto".

Bem, acho que São Paulo deixou claro o que eu queria falar sobre experiência.

Tudo é experiência. Qual é a sua? Você tem experiência em que?

[]'s

Um comentário:

Lady Jedi disse...

Somos tão complexos às vezes...